Quem sujou as mãos de tinta? Estética, gesto e matéria em intervenções artísticas urbanas

Autores

  • José Luís Abalos Júnior Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.21814/vista.3033

Palavras-chave:

Cidade, Etnografia de Rua, Imaginário, Arte Urbana, Narrativas Visuais

Resumo

Este trabalho apresenta alguns elementos da pesquisa que venho realizando no meu doutoramento que terá como tema as intervenções artísticas urbanas. Primeiramente reflito sobre questões metodológicas do que denomino de “etnografia das gestualidades”. Em que sentido uma abordagem que leve em conta a imaginação e o gesto pode contribuir para os estudos sobre cidade, imagem e arte urbana? A etnografia tem muito a contribuir para tais estudos quando demonstra uma versão particular e cotidiana de como as intervenções urbanas estão sendo imaginadas e operacionalizadas no dia a dia de artistas urbanos. Refletindo sobre duas trajetórias de artistas urbanos formados na cidade de Porto Alegre, sul do Brasil, relaciono- as com ideias advindas de uma fenomenologia da experiencia e da teoria imaginário. Concluo que a ideia de construção de um “trajeto antropológico do imaginário”, suscitada por Gilbert Durand, é uma boa ferramenta para pesquisas sobre o tema da arte urbana que busquem dialogar com conceitos como estética, gesto e matéria.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Abalos Junior, J. L. (2018) De onde vem os desenhos na cidade? Eu, o Fotolog e os monstros dentuços. PIXO - Revista de Arquitetura, Cidade e Contemporaneidade, v. 2, 36-49. Consultado em: https://periodicos.ufpel.edu.br/ojs2/index.php/pixo/article/view/13048.

Abalos Junior & Cabreira. (2018) Grafite e práticas de legalização: artificação e mediação em expressões artísticas urbanas em Porto Alegre/RS. PROA: Revista de Antropologia e Arte, v. 2, 12-24. Consultado em: https://www.ifch.unicamp.br/ojs/index.php/proa/article/view/2927.

Abalos Junior & Cabreira. (2018). Patrimônios do efêmero: a arte pública do graffiti ao muralismo. Revista Rasante, v. 03, 78-97. Consultado em: https://issuu.com/revistarasante/docs/rasante_n3_v1_digital

Abarca, J. (2016) “From street art to murals, what have we lost?”. Street Art & Urban Creativity Scientific Journal Vol 2, No2. 60-67. Consultado em: http://www.urbancreativity.org/uploads/1/0/7/2/10727553/javier_sauc_vol2_n2_r3.pdf

Achutti, Luiz Eduardo Robinson. (1997) Fotoetnografia, um estudo de antropologia visual sobre cotidiano, lixo e trabalho. Porto Alegre: Tomo Editorial.

Bachelard, G.(1993). A poética do espaço. São Paulo: Martins Fontes.

Bachelard, G.(1989). La terre et les rêveries du repos. Paris: José Corti.

Bachelard, G.(1989). La terre et les rêveries de la volante. Paris: José Corti.

Baudelaire, C. (1949). Curiosités Esthetiques. Lausanne: La Guilde Du Livre.

Campos, R. (2013). A arte urbana enquanto “Outro”. VÍRUS, revista do nomads.usp, São Carlos no. 9. Consultado em: http://www.nomads.usp.br/virus/carpet_data/44/44br.pdf.

Campos, R. (2010). Por que pintamos a cidade? Uma abordagem etnográfica do grafite urbano. Lisboa: Edições Fim de Século.

Campos, R. (2009). Entre as luzes e as sombras da cidade: visibilidade e invisibilidade no graffiti. Etnográfica, 13(1): 145-170. Consultado em: https://journals.openedition.org/etnografica/1292.

De Certeau, M. (2003). A invenção do cotidiano; 1. Artes de fazer. Petrópolis: Vozes.

Diógenes, G. (2015). A arte urbana entre ambientes: “dobras” entre a cidade “material” e o ciberespaço. Etnografica, v. 19, 537-556. Consultado em: https://journals.openedition.org/etnografica/4105

Diógenes, G. (2017). Arte, Pixo e Política: dissenso, dissemelhança e desentendimento. Vazantes. vol. 1, n. 2, 115-134. Consultado em: http://www.periodicos.ufc.br/vazantes/article/view/20500

Diogenes, G. & Chagas, J. (2016). O ruidoso silêncio da pixação: linguagens e artes de rua. Revista do Programa de Pós-Graduação em Artes, Cultura e Linguagens Instituto de Artes e Design (UFJF). v. 1: n.2, 304-330 . Consultado em: http://www.ufjf.br/revistanava/files/2015/11/10_NAVA-V1-N2_CAP%C3%8DTULO- 5.pdf

Durand. G. (1992). L ́imagination symbolique. Paris: PUF.

Durand, G. (2001). As estruturas antropológicas do imaginário. Editora: Martins Fontes.

Eckert, C. & Rocha, A. L. C. da (2008). “Etnografia: saberes e práticas”. In Pinto & Guazzelli (2008). Ciências Humanas: pesquisa e método (pp.9-24). Porto Alegre: Editora UFRGS.

Eckert, C. & Rocha, A. L. C. da (2013). Etnografia de rua: estudos de antropologia urbana. Porto Alegre: Editora UFRGS.

Eckert, C. & Rocha, A. L. C. da (1998). A interioridade da experiência temporal do antropólogo como condição da produção etnográfica. Revista de Antropologia, São Paulo, v. 41, n. 2,107-135. Consultado em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-77011998000200004

Eckert, C. & Rocha, A. L. C. da (2013). Etnografia na rua e câmera na mão. Revista Studium Instituto de Artes da Unicamp, no8. Consultado em: http://www.studium.iar.unicamp.br/oito/2.htm

Lassala, G. (2010). Pichação não é Pixação. São Paulo: Altamira.

Leroi-Gourhan, A. (2002). O Gesto e a Palavra - Vol. II - Memória e Ritmos. Lisboa: Edições 70.

MaffesolIi, M. (1985). Le paradigme esthétique. La sociologie comme art. Sociologie et Sociétés, vol.17, n 2, 33 - 40. Consultado em: https://www.erudit.org/fr/revues/socsoc/1985-v17-n2-socsoc102/001461ar/.

Mittmann, D. (2013). O Sujeito-pixador: tensões acerca da prática da pichação paulista. Rio de Janeiro: Multifoco.

Monteiro, C. (2006). Porto Alegre e suas escritas: Histórias e memórias da cidade. Porto Alegre: EDIPUCRS.

Pesavento, S. J. (1999). O imaginário da cidade: visões literárias do urbano: Paris, Rio de Janeiro, Porto Alegre. Porto Alegre: Editora UFRGS.

Rancière, J. (2005). Estética e política: a partilha do sensível. São Paulo: EXO experimental e Editora 34.

Velho, G. (1987). Individualismo e Cultura: Notas para uma Antropologia da Sociedade Contemporânea. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Velho, G.. (2013). Um antropólogo na cidade: ensaios de antropologia urbana. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Vital da Cunha, C. (2017). Grafites do amor, da paz e da alegria na cidade Olímpica: interfaces entre política, arte e religião no Rio 2016. Revista Ciências Sociais Unisinos, v. 53, n.3, 499-507. Consultado em: http://revistas.unisinos.br/index.php/ciencias_sociais/article/view/csu.2017.53.3.10.

Downloads

Publicado

2018-12-26

Como Citar

Abalos Júnior J. L. (2018). Quem sujou as mãos de tinta? Estética, gesto e matéria em intervenções artísticas urbanas. Vista, (3), 148-171. https://doi.org/10.21814/vista.3033

Edição

Secção

Artigos