Is there, for the black person, only one destiny? A psychoanalytical approach

Autores

  • Jefferson Nascimento Fluminense Federal University, Brazil
  • Giselle Falbo Fluminense Federal University, Brazil

DOI:

https://doi.org/10.21814/vista.3056

Palavras-chave:

Negritude, racismo, psicanálise, imagem, constituição subjetiva

Resumo

Este artigo pretende refletir sobre como o racismo interfere na construção da imagem da pessoa negra no processo de constituição subjetiva, em sua articulação com o discurso do Outro, como concebido por Jacques Lacan, a saber, como inconsciente, e suas manifestações no nível cultural e no nível do laço social. Para tanto, faremos referência às elaborações teóricas de Neusa Santos Souza, Frantz Fanon e Grada Kilomba, autores que empreenderam, cada um em seu tempo e suas respectivas leituras e contextos sociais, reflexões poderosas sobre o racismo, do ponto de vista da psicanálise. Por meio da concepção de linguagem proposta por Lacan e do conceito de negritude em Munanga, indicamos como a questão se atualiza hoje no Brasil. Para concluir, entendendo que há sofrimento psíquico gerado por esse modo de segregação, sugerimos alternativas e formas que articulam o empoderamento do sujeito que atravessa e é, ao mesmo tempo, atravessado pelo coletivo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Berth, J. (2019). Empoderamento. São Paulo: Sueli Carneiro; Polén.

Capécia, M. (1948). Je suis Martiniquaise. Paris: Corrêa.

Costa, J. F. (1983). Da Cor ao Corpo: a Violência do Racismo. In Souza, N. S. (Ed.) Tornar-se Negro: As Vicissitudes da Identidade do Negro Brasileiro em Ascensão Social (pp.1-16). Rio de Janeiro: Edições Graal.

Fanon, F. (2008). Pele Negra e Máscaras Brancas. Salvador: EDUFBA.

Kilomba, G. (2019). Memórias da Plantação: Episódios de Racismo Cotidiano. Rio de Janeiro: Cobogó.

Lacan, J. (1995). O seminário, livro 4: a relação de objeto. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Lacan, J. (1998). Escritos. Rio de Janeiro: Editora Zahar.

Lacan, J. (2003). Televisão. In J. Lacan (Ed.), Outros escritos (pp. 508-544). Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Mbembe, A. (2018). Necropolítica. Rio de Janeiro: N-1 Edições.

Miller, J. A. (2010). Le salut par le déchet. Mental: Clinique et pragmatique de la désinsertion en psychanalyse, n° 24, 9-15.

Munanga, K. (1990). Negritude afro-brasileira: perspectivas e dificuldades. Revista De Antropologia, 33, 109-117. Retrieved from: http://www.revistas.usp.br/ra/issue/view/8417/587

Munanga, K. (2004). Programa de Educação Sobre o Negro na Sociedade Brasileira. Niterói: EDUFF.

Munanga, K. (2017). Ambiguidades do Racismo à brasileira. In N. M. Kon; M. L. da Silva; C. C. Abud (orgs). O Racismo e o Negro no Brasil: Questões para a Psicanálise (pp.33- 45). São Paulo: Perspectiva.

National Park Service, Women’s Rights National Historical Park (2017, 17 November). Sojourner Truth, Ain’t I A Woman, Women's Rights Convention, Old Stone Church, Akron, Ohio, 1851. Retrieved from https://www.nps.gov/articles/sojourner-truth.htm

Nogueira, I. B. (1998). Significações do Corpo Negro. PHD Thesis. Universidade de São Paulo, Brazil. Retrieved from: http://www.ammapsique.org.br/baixe/corpo-negro.pdf

Schwarcz, L, M. (1996). Ser peça, ser coisa: definições e especificidades da escravidão no Brasil. In L. M. Schwarcz & L.V.S. Reis (Eds.) Negras Imagens (pp. 11-29). São Paulo: EDUSP

Silva, M. L. da (2017). Racismo no Brasil: Questões para Psicanalistas Brasileiros. In N. M. Kon; M. L. da Silva; C. C. Abud (orgs). O Racismo e o Negro no Brasil: Questões para a Psicanálise (pp. 71-91). São Paulo: Perspectiva.

Souza, N. S. (1983). Tornar-se Negro: As Vicissitudes da Identidade do Negro Brasileiro em Ascensão Social. Rio de Janeiro: Edições Graal.

Downloads

Publicado

2020-06-30

Como Citar

Nascimento, J., & Falbo, G. (2020). Is there, for the black person, only one destiny? A psychoanalytical approach. Vista, (6), 43-57. https://doi.org/10.21814/vista.3056