Cinema, percursos e dinâmicas de coprodução com Moçambique: um olhar exploratório

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21814/vista.3443

Palavras-chave:

filmes, coprodução, Moçambique, Portugal

Resumo

Neste artigo, apresentamos uma breve análise das dinâmicas de coprodução entre Portugal e Moçambique, explorando, em particular, os filmes financiados pelo Instituto do Cinema e do Audiovisual (ICA) no período compreendido entre 2014 e 2020, no âmbito do Programa de Apoio ao Cinema – Modalidade de Apoio à Coprodução com Países de Língua Portuguesa. Ao todo, 16 filmes receberam financiamento do ICA, estando alguns ainda em processo de produção. Cinco são coproduções com participação moçambicana – Vovó dezanove e o segredo do soviético, de João Ribeiro; Desterrados, de Yara Costa; As noites ainda cheiram a pólvora, de Inadelso Cossa; O ancoradouro do tempo, de Sol de Carvalho, e À mesa da unidade popular, de Camilo de Sousa e Isabel de Noronha. A análise documental exploratória (Wolff, 2004) indica que os filmes financiados atualmente abordam temas associados ao colonialismo, mas também a acontecimentos sociopolíticos e culturais atuais. Os documentários moçambicanos, em particular, narram as lutas pela independência em Moçambique, a guerra civil, tendo sido também financiados filmes de ficção que constituem adaptações de obras literárias de autores africanos reconhecidos internacionalmente, como o escritor angolano Ondjaki e o moçambicano Mia Couto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Cardoso, M. (2003). Kuxa Kanema – O nascimento do cinema [Filme]. Dérives; Lapsus; Filmes do Tejo.

Convents, G. (2011). Os moçambicanos perante o cinema e o audiovisual: Uma história político-cultural do Moçambique colonial até a República de Moçambique (1986-2010). Edições Dockanema/Afrika Film Festival.

Cunha, P. (2013). Coproduzir em português: Da política e da prática. In S. Dennison (Ed.), World cinema: As novas cartografias do cinema mundial (pp. 75-88). Papirus Editora.

Cunha, P. (2018). Portugal e Moçambique: Cooperação e co-produção cinematográfica no pós-independência. In J. Seabra (Eds), Cinemas em Português. Moçambique – Auto e heteroperceções (pp. 81-100). Imprensa da Universidade de Coimbra.

Decreto-Lei n.º 25/2018, Diário da República n.º 80/2018, Série I, nº. 25 (2018). https://dre.pt/home/-/dre/115172414/details/maximized

Decreto-Lei n.º 52/90, Diário da República n.º 284, Série I (1990). https://www.ica-ip.pt/fotos/editor2/o_que_fazemos/protocolos_e_acordos/dec52-90.pdf

Fendler, U. (2014). Cinema in Mozambique: New tendencies in a complex mediascape. Critical Interventions, 8(2), 246-260. https://doi.org/10.1080/19301944.2014.940245

Ferreira, C. O. (2016). O drama da descolonização em imagens em movimento – A propôs do “nascimento” dos cinemas luso-africanos. Estudos Linguísticos e literários, 53, 177-221. http://dx.doi.org/10.9771/2176-4794ell.v0i53.16120

França, A. (2014). O cinema moçambicano pós-colonial: outros olhares, outros discursos. Revista Crioula, (13). https://doi.org/10.11606/issn.1981-7169.crioula.2013.64732

Instituto do Cinema e do Audiovisual. (s.d.-a). Comboio de sal e açúcar | train of salt and sugar. http://icateca.ica-ip.pt/filme/COMBOIO+DE+SAL+E+ACUCAR/2002

Instituto do Cinema e do Audiovisual. (s.d.-b). Coprodução com Países de Língua Portuguesa. https://ica-ip.pt/pt/concursos/apoio-ao-cinema/2021/coproducao-com-paises-de-lingua-portuguesa/

Lopes, J. S. M. (2016). Cinema de Moçambique no pós-independência: Uma trajetória. Rebeca-Revista Brasileira de Estudos de Cinema e Audiovisual, 5(2). https://doi.org/10.22475/rebeca.v5n2.223

Macedo, I. (2016). Os jovens e o cinema português: A (des)colonização do imaginário? Comunicação e Sociedade, 29, 271-289. https://doi.org/10.17231/comsoc.29(2016).2420

Miranda, M. G. (2015). Cinema africano em foco: Entrevista com o cineasta Sol de Carvalho. Mulemba, (1), 21-28. https://doi.org/10.35520/mulemba.2015.v7n12a5020

Monteiro, L. R. (2016). África(s), cinema e revolução. Buena Onda Produções Artísticas e Culturais. http://buenaondaproducoes.com.br/pdfs/CATALOGO_AFRICAS.pdf

Oliveira, E. A. (2016). Cinema moçambicano – Imagens de guerra, imagens “sobreviventes”. Revista Monções: Revista de Relações Internacionais da UFGD, 5(10), 64-89.

Pereira, A. C. (2016). Alteridade e identidade em Tabu de Miguel Gomes. Comunicação e Sociedade, 29, 311-330. https://doi.org/10.17231/comsoc.29(2016).2422

Pereira, A. C. (2019). Alteridade e identidade na ficção cinematográfica em Portugal e em Moçambique [Tese de doutoramento, Universidade do Minho]. RepositóriUM. http://hdl.handle.net/1822/65858

Pereira, A. C., & Cabecinhas, R. (2016). “Um país sem imagem é um país sem memória…” – Entrevista com Licínio Azevedo. Estudos Ibero-Americanos, 42(3), 1026-1047. https://doi.org/10.15448/1980-864X.2016.3.22989

Piçarra, M. C. (2009). Portugal olhado pelo cinema como imaginário de um império: Campo/contracampo. Observatorio (OBS*) Journal, 3(3), 164-178. https://doi.org/10.15847/obsOBS332009303

Piçarra, M. C. (2015). Azuis ultramarinos. Propaganda colonial e censura no cinema do Estado Novo. Edições 70

Ribeiro, J. (2018). Cinema e televisão. In J. Seabra (Eds), Cinemas em português. Moçambique – Auto e heteroperceções (pp. 47-52). Imprensa da Universidade de Coimbra.

Schefer, R. (2020). Mal de arquivo: Uma aproximação ao arquivo anti-colonial moçambicano a partir da obra de Ruy Guerra. Observatorio (OBS*) Journal, (special issue), 52-72. https://doi.org/10.15847/obsOBS0001816

Vieira, T. (2019). Inscrevendo as ruínas da descolonização e dos mecanismos de poder na imagem fílmica: O cinema de Pedro Costa. Vazantes, 3(1), 152-165. http://periodicos.ufc.br/vazantes/article/view/42919

Wolff, S. (2004). Analysis of documents and records. In U. Flick, E. von Kardorff, & I. Steinke (Eds.), A companion to qualitative research (pp. 284-289). Sage.

Publicado

2021-06-30

Como Citar

Balbé, A. D., Trindade, E., & Macedo, I. (2021). Cinema, percursos e dinâmicas de coprodução com Moçambique: um olhar exploratório. Vista, (7), e021007. https://doi.org/10.21814/vista.3443

Edição

Secção

Artigos

Artigos mais lidos do(s) mesmo(s) autor(es)