O protagonismo do banal e a performance nas bandas desenhadas documentais

Autores

  • Felipe Muanis Departamento de Cinema e Vídeo, Universidade Federal Fluminense (UFF), Brasil

DOI:

https://doi.org/10.21814/vista.2964

Palavras-chave:

BD documental, banal, homem comum, performance, autorreferência

Resumo

Este trabalho visa analisar estratégias da banda desenhada norte-americana dos anos 1960, em especial produzida por Robert Crumb e Harvey Pekar e rever a sua influência nos quadrinhos documentais contemporâneos, nos quais a autorreferencialidade e a banalidade se evidenciam como caraterísticas da banda desenhada moderna. A proposta é dialogar com a teoria da performance de Paula Sibilia, com a presença do homem comum nas mídias e, por fim, com os conceitos de “virada demótica” de Graeme Turner e de “democratainment” de John Hartley.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Baudelaire, C. (1996). Sobre a Modernidade. São Paulo: Paz e Terra.

Cirne, M. (2000). Quadrinhos, sedução e paixão. Petrópolis: Vozes.

Davidson, S. (1970). Gung Ho! All American comicks. Amsterdão: OM & Arcanum.

Eco, U. (2001). Apocalípticos e integrados. São Paulo: Perspectiva.

Figueiredo, V. L. (2014). Fábulas da vida obscura: imagens técnicas e anonimato. Revista Rumores. No 15, V. 8, 7-26.

Fresnault-Deruelle, P. (1980). O espaço interpessoal nos comics. In Helbo, André (ed.). Semiologia da representação (pp.125-135). São Paulo: Cultrix.

Moya, A. (1986). História das histórias em quadrinhos. Porto Alegre: L&PM.

Muanis, F. (2013). O quadrinho documental e a tradução da cidade. Revista Nona Arte, V. 2, No 1, 45-67.

Muanis, F. (2014). Dokumentarische Comics als Übersetzung des Alltäglichen. Zeitschrift für Medienwissenschaft. No 11, 49-64.

Pekar, H. (2006). Bob & Hary: dois anti-heróis americanos. São Paulo: Conrad.

Sahagun, A. (1971). El comic de la contracultura. Estudios de Información: los comics, No 19-20, 239-276.

Schikowski, K. (2009). “Folks, I’m going to speak plain...”: Robert Crumb und die Entwicklung der autobiographischen Comic-Erzählung. Text + Kritik: comics, mangas, graphic novels. V. 9., 90-109.

Serelle, M. (2014). A guinada dos populares: mídia e vida social no Brasil. In Anais do XXIII Encontro Anual da COMPÓS. Belém do Pará: UFPA.

Sibilia, P. (2015). Autenticidade e performance: A construção de si como personagem visível. Revista Fronteiras: Estudos Midiáticos, V. 17, No.3, 353-354. Consultado em: http://revistas.unisinos.br/index.php/fronteiras/article/view/fem.2015.173.09/4984

Sibilia. P. (2008). O show do eu: a intimidade como espetáculo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Turner, G. (2010). Ordinary people and the media: the demotic turn. Londres: Sage.

Vigil, L. (1971). El comic underground em los estados unidos. Estudios de Información: los comics, No. 19-20, 101-128.

Downloads

Publicado

2017-05-19

Como Citar

Muanis, F. (2017). O protagonismo do banal e a performance nas bandas desenhadas documentais. Vista, (1), 33-49. https://doi.org/10.21814/vista.2964

Edição

Secção

Artigos