A imagem como ausência

Autores

  • Paulo Barroso Centro de Estudos de Comunicação e Linguagens, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa, Portugal

DOI:

https://doi.org/10.21814/vista.2970

Palavras-chave:

iconocracia, ideologia, imagem, poder da imagem, retórica

Resumo

Desde a Antiguidade Clássica Grega, com Platão a conceber a imagem como sombra, reflexo e, depois, como representação em geral, até à contemporaneidade, com o conceito aberto de “imagem” a adquirir novas formas virtuais de projeção de luz a incidir em suportes materiais como a água ou o ar, muito já se refletiu sobre a imagem, mas também sobre a sua conceção e papel no mundo contemporâneo, cada vez mais global, virtual e, principalmente, mais visual e iconólatra. Os novos meios e processos de produção e consumo de imagens demonstram um desenvolvimento visual. A imagem suscita o uso exagerado de dispositivos e meios de produção/reprodução de imagem e conduz a uma iconolatria moderna, que regista todos os domínios da vida humana: os mais privados (imagens íntimas publicadas nas redes sociais) e os mais públicos (fotojornalismo de guerra); os mais banais (selfies) e os momentos e situações mais únicos (ecografias); os mais credíveis e os mais manipulados pelo “arranjo” da imagem pelo Photoshop. Neste artigo, parte-se do pressuposto de que a imagem é um signo; possui o poder de transitividade semântica de evocar realidades e referentes ausentes ou inexistentes. Pretende-se sustentar a tese de que a imagem é, de um modo suficiente e necessário, uma imagem-signo e que o seu poder reside na função de representação que ocorre como uma hierofania, i.e. uma ausência latente que se manifesta, porque os significados da imagem estão ocultos ou codificados na própria imagem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Agamben, G. (1993). A Comunidade Que Vem. Lisboa: Editorial Presença.

Aumont, J. (2002). A Imagem. São Paulo: Papirus Editora.

Barthes, R. (1987). A Aventura Semiológica. Lisboa: Edições 70.

Barthes, R. (1991). Mythologies. Nova Iorque: The Noonday Press.

Barthes, R. (2006). A Câmara Clara. Lisboa: Edições 70.

Barthes, R. (2007). Elementos de Semiologia. Lisboa: Edições 70.

Barthes, R. (2009). O Óbvio e o Obtuso. Lisboa: Edições 70.

Baudrillard, J. (1991). Simulacros e Simulação. Lisboa: Relógio d’Água.

Berger, J. et al. (2005). Modos de Ver. Barcelona: Editorial Gustavo Gili.

Bignell, J. (2002). Media Semiotics. Manchester: Manchester University Press.

Bulmer, S. & Oliver, M. B. (2006). Visual rhetoric and global advertising imagery. Journal of Marketing Communications, Vol. 12 No1, 49-61.

Chevalier, J. & Gheerbrant, A. (1997). Dicionário dos Símbolos. Lisboa: Círculo de Leitores.

Debord, G. (1995). The Society of the Spectacle. Nova Iorque: Zone Books.

Debray, R. (1994). Vida e Morte da Imagem: Uma História do Olhar no Ocidente. Rio de Janeiro: Vozes.

Deleuze, G. (1985). Cinema 2: L’image-Temps. Paris: Les Editions de Minuit.

Derrida, J. (2005). A Farmácia de Platão. São Paulo: Editorial Iluminuras.

Eco, U. (2001). A Estrutura Ausente. São Paulo: Editora Perspectiva.

Eliade, M. (1979). Imágenes y Símbolos – Ensayos sobre el Simbolismo Mágico- Religioso. Madrid: Ed. Taurus.

Eliade, M. (1999). O Sagrado e o Profano – A Essência das Religiões. Lisboa: Livros do Brasil.

Finkelstein, J. (2007). The Art of Self Invention – Image and Identity in Popular Visual Culture. Nova Iorque: I.B.Tauris.

Fulchignoni, E. (1969). La Civilisation de l’Image. Paris: Payot.

Joly, M. (2008). Introdução à Análise da Imagem. Lisboa: Edições 70.

Jung, C. (2008) Tipos Psicológicos. Barcelona: Edhasa.

Marx, K. (1982). Para a Crítica da Economia Política. In Obras Escolhidas de Marx e Engels, 1.o Volume, Lisboa: Editorial Avante.

Marx, K. & Engels, F. (1982). A Ideologia Alemã. In Obras Escolhidas de Marx e Engels, 1.o Volume, Lisboa: Editorial Avante.

Nietzsche, F. (1995). Da Retórica. Lisboa: Vega.

Otero, J. C. (2003). Estética y Culto Iconográfico. Madrid: Biblioteca de Autores Cristianos.

Platão (1992). Ménon. Lisboa: Edições Colibri.

Platão (2000). Fedro. Lisboa: Guimarães Editores.

Platão (2006). A República. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Ricoeur, P. (1990). Historia y Verdad. Madrid: Ediciones Encuentro.

Ricoeur, P. (1991). Ideologia e Utopia. Lisboa: Edições 70.

Ricoeur, P. (2013). A Simbólica do Mal. Lisboa: Edições 70.

Sartori, G. (2000). Homo Videns – Televisão e Pós-pensamento. Lisboa: Terramar.

Sartre, J.-P. (s.d.). A Imaginação. Lisboa: Difel.

Schopenhauer, A. (2005). O Mundo como Vontade e Representação. Porto: Rés Editora.

Sontag, S. (2012). Ensaios de Fotografia. Lisboa: Quetzal.

Volli, U. (2004). Semiótica da Publicidade. Lisboa: Edições 70.

Wittgenstein, L. (1996). Philosophical Investigations. Oxford: Blackwell.

Wittgenstein, L. (1999). Tractatus Logico-Philosophicus. Londres: Routledge.

Zizek, S. (2008). The Sublime Object of Ideology. Londres: Verso.

Zizek, S. (org.) (2010). Um Mapa da Ideologia. Rio de Janeiro: Contraponto Editora.

Downloads

Publicado

2017-05-19

Como Citar

Barroso, P. (2017). A imagem como ausência. Vista, (1), 50-71. https://doi.org/10.21814/vista.2970

Edição

Secção

Artigos