In/Visibilities and Pseudo/Visibilities: the black woman’s portrait in the Bemposta chapel in Lisbon (1791-1792)

Autores

  • Giuseppina Raggi Centre for Social Studies (CES), University of Coimbra, Portugal

DOI:

https://doi.org/10.21814/vista.3055

Palavras-chave:

Giuseppe Trono, Capela da Bemposta, Mulheres africanas escravizadas e libertas, a rainha D. Maria I, subjetividades negras na Lisboa setecentistas

Resumo

A pintura de Giuseppe Trono na capela da Bemposta, realizada in 1791-1792, é uma das obras mais representativas das políticas sociais implementadas pela rainha D. Maria I. Este artigo centra-se na análise histórico-artística da pintura para enquadrar o contexto político e religioso da época e esclarecer o significado da iconografia, que foi equivocado pela exígua historiografia existente sobre a obra. O culto do Sagrado Coração, instituído em 1779 pelo papa Pio VI, é crucial para decodificar o significado da pintura. A nova abordagem apresenta uma original interpretação da mulher negra representada na tela. A sua identidade e a sua biografia são trazidas à luz. A sua subjetividade é comparada com as biografias mais conhecidas do grupo de anões escravizados que viviam na corte de Lisboa; principalmente com a biografia de Rosa do Sagrado Coração de Jesus, retratada na Mascarada nupcial de José Conrado Roza (1788). A sua in/visibilidade é comparada, também, com o ‘silêncio’ sobre a presença negra na pintura O terramoto de Lisboa de 1755 de João Glama, realizada na segunda metade do século XVIII.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Academia Militar. (Eds.). (2005). D. Catarina de Bragança e o Paço da Rainha. Lisbon: Europress.

Beirão, C. (1944). D. Maria I, 1777-1792. Lisbon: Emprensa Nacional de Publicidade.

Bethencourt, F. (2015/2013). Racismos: das cruzadas ao século XX. Lisbon: Temas & Debates.

Bindman, D.; Gates, H. L. Jr.; Dalton K. C.C. (Eds). (2011). The image of the Black in Western Art. The Eighteenth century. Part III. Harvard: University Press.

Boyd, A. (2009). Diário de William Beckford em Portugal e Espanha. Lisbon: Biblioteca Nacional.

Borges, N. C. (1986). História da Arte em Portugal – Do Barroco ao Rococó. Vol. 9. Lisbon: Publicações Alfa.

Braga, I. M. R. M. D. (2009). Os «Pretos da Rainha». Serviçais exóticos na Corte de D. Maria I. In Atas do IV Congresso Histórico de Guimarães, Do Absolutismo ao Liberalismo, vol.2 (pp.36-67). Guimarães: Câmara Municipal de Guimarães.

Caldeira, A. (2017). Escravos em Portugal. Das origens ao século XIX. Lisbon: A Esfera dos Livros.

Canosa, R. & Colonnello, I. (2004). Storia della prostituzione in Italia. Dal Quattrocento alla fine del Settecento. Rome: Edizioni Multimediali.

Castro Henriques, I. (2008). A herança africana em Portugal. Lisbon: CTT.

Degortes, M. (2016). Ensino artístico no estrangeiro e relações internacionais: o caso da Academia Portuguesa de Belas Artes em Roma. In M. J. Neto & M. Malta (Eds.), Coleções de arte em Portugal e Brasil nos séculos XIX e XX (pp. 137-148). Casal de Cambra: Caleidoscópio.

Franco, A., Oliveira, F. & Vale, P. Pires de. (Eds.). (2018). Do tirar polo natural. Inquérito ao retrato português. Lisbon: Imprensa Nacional Casa da Moeda.

França, J.A. (1967). A arte em Portugal no século XIX. Vol..I. Lisbon: Editorial Estampa.

Alienor, Conseil des Musées (2013). Un regard, une oeuvre, La mascarade nuptiale. José C. Roza, 1788. Retrieved from https://www.alienor.org/publications/mascarade- nuptiale/

Markl, A. & Bastos, C. (2018). Anatomia de uma pintura. João Glama e O terramoto de 1755. Lisbon: MNAA.

Menozzi, D. (2001). Sacro Cuore. Un culto tra devozione interiore e restaurazione cristiana della società. Rome: Viella.

Moita, L. (2005/1955). A Bemposta. O “Paço da Rainha”. Lisbon: Livros Horizontes.

Raggi, G. & Degortes, M. (2018). A pintura de Giuseppe Trono na Capela do Paço da Bemposta – Academia Militar. Lisbon: Edições Colibri

Raggi, G. (2018). Trasformare la cultura di corte: la regina Maria Anna d’Asburgo e l’introduzione dell’opera italiana in Portogallo. Revista Portuguesa de Musicologia, 5/1, 18-30.

Rattansi, A. (2007). Racism. A very short introduction. Oxford: Oxford University Press.

Rossa, W. & Ribeiro, M. Calafate. (2015). Patrimónios de influência portuguesa. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra.

Santos, C. M. (2005). Um governo “polido” para Angola. Reconfigurar dispositivos de domínio (1750 – c. 1800). PHD Thesis, Universidade Nova de Lisboa, Lisbon, Portugal. Retrieved from: http://catalogo.bn.pt

Silva, C. (1896). Real Casa Pia de Lisboa. Breve história. Lisbon: Tipografia Brito Nogueira.

Stilwell, I. (2018). D. Maria I. Uma rainha atormentada por um segredo que a levou à loucura. Lisbon: Manuscrito.

Tavares, A. & Pinto, J. dos Santos. (1990). Pina Manique um homem entre duas épocas. Lisbon: Casa Pia.

Downloads

Publicado

2020-06-30

Como Citar

Raggi, G. (2020). In/Visibilities and Pseudo/Visibilities: the black woman’s portrait in the Bemposta chapel in Lisbon (1791-1792). Vista, (6), 23-42. https://doi.org/10.21814/vista.3055