Narrativas Visuais: arte participativa com mulheres e jovens vítimas de violência

Autores

  • Raquel Felgueiras Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação, Universidade do Porto, Portugal
  • Angélica Lima Cruz
  • Rita Lopez Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação, Universidade do Porto, Portugal
  • Maria José Magalhães Centro de Investigação e Intervenção Educativas (CIIE), Universidade do Porto, Portugal

DOI:

https://doi.org/10.21814/vista.2981

Palavras-chave:

narrativas visuais, violência, intervenção, mulheres, jovens

Resumo

Este artigo descreve e analisa os resultados de um processo de arte participativa sobre a intervenção em mulheres e jovens vítimas de violência, no contexto do projeto transnacional Cultural Encounters in Interventions Against Violence (CEINAV). Através da construção de narrativas visuais, pretendeu-se dar espaço às/aos participantes para refletirem de forma visual e simbólica sobre a intervenção que encontraram quando procuraram ajuda, levantando questões ao nível das emoções e sentimentos que preencheram esse processo, assim como evidenciar os aspetos em que a intervenção foi, ou não, ao encontro das suas necessidades de proteção, segurança, reconhecimento e justiça. Metodologicamente, recorremos a uma abordagem de análise crítica visual em articulação com a micro-etnografia visual.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Baker, C. K.; Cook, S. L. & Norris, F. H. (2003). Domestic Violence and Housing: A Contextual Analysis of Women’s Help-Seeking, Received Informal Support, and Formal System Response. Violence Against Women, Vol. 9 No. 7, 754-783.

Banks, M. (2001). Visual Methods in Social Research. Londres: SAGE Publications.

Becker, A. (2014). Journey. Londres: Walker Books Ltd.

Behar, R. (1995). Rage and Redemption: Reading the Life Story of a Mexican Marketing Woman, in Tedlock & Mannheim (eds.). The Dialogic Emergence of Culture (pp.148-178). Chicago: University of Illinois Press.

Bryman, A. (2008). Social Research Methods. Oxford: Oxford University Press.

CASA (2012). Relatório de Caracterização Anual da Situação de Acolhimento das Crianças e Jovens. Lisboa: Instituto da Segurança Social.

Chiccetti, D. & Carlson, V. (Eds.) (1989). Child Maltreatment. Theory and research on the causes and consequences on child abuse and neglect. Cambridge: Cambridge University Press.

Clifford, J. (1988). The Predicament of Culture: Twentieth-Century Ethnography, Literature, and Art. Cambridge, Massachusetts e Londres: Harvard University Press.

CNPCJR (2015). Relatório Anual de Avaliação da Atividade das Comissões de Proteção de Crianças e Jovens. Instituto da Segurança Social. Lisboa: Comissão Nacional de Proteção de Crianças e Jovens em Risco.

Connerton, P. (1993). Como as Sociedades se Recordam. Oeiras: Celta.

Currie, J. & Widom, C. S. (2010). Long-Term Consequences of Child Abuse and Neglect on Adult Economic Well-Being, Child Maltreatment, 15(2), 111-120.

Etter-Lewis, G. (1991). Black Women's Life Stories: Reclaiming Self in Narrative Texts, in Gluck & Patai (eds.). Women’s Words, The Feminist Practice of Oral History (pp.43- 59). Nova Iorque, Londres: Routledge.

Ferrarotti, F. (1983). Histoire et Histoires de Vie. La méthode biographique dans les sciences sociales. Paris: Livrairie des Méridiens.

Hagemann-White, C.; Kelly, L. & Römkens, R. (2010). Feasibility study to assess the possibilities, opportunities and needs to standardize national legislation on violence against women, violence against children and sexual orientation violence. Bruxelas: Publications Office of the European Union.

Katz, E. (2013). Domestic Violence, Children’s Agency and Mother–Child Relationships: Towards a More Advanced Model, Children & Society, 29(1), 69-79.

Kelly, L; Hagemann-White, C.; Meysen, T. & Römkens, R. (2011). Realising Rights. Case studies on state responses to violence against women in Europe, Londres: London Metropolitan University.

Kelly, L.; Sharp, N. & Klein, R. (2014). Finding the Costs of Freedom: How women and children rebuild their lives after domestic violence. Londres: CWASU, London Metropolitan University.

LaViolette, A. & Barnett, O. (2000). It could happen to anyone. Why battered women stay. Thousand Oaks, CA: Sage Publications.

Lima Cruz, A. (2009). Artes de Mulheres à Altura das Suas Mães: O ficurado de galegos revisitado. Porto: Edições Afrontamento.

Lisboa, M.; Carmo, I.; Vicente, L. B. & Nóvoa, A. (2003). Os Custos Sociais e Económicos da Violência Contra as Mulheres. Lisboa: CIDM.

Lisboa, M. (coord.) (2006). Prevenir ou Remediar. Os custos sociais e económicos da violência as mulheres. Lisboa: Edições Colibri.

Magalhães, M. J. (2005). Mulheres, Espaços e Mudanças: o pensar e o fazer na educação das novas gerações (Tese de Doutoramento), Universidade do Porto, Porto, Portugal.

Magalhães, M. J.; Morais, C. & Rodríguez Castro, Y. (2011). Organização e funcionamento duma casa de abrigo e solidariedade social, Psicologia & Sociedade, 23 (3), 598-607.

Magalhães, M. J. (2012). Construção do sujeito mulheres: subjectividades das vozes e dos silêncios, in Magalhães, Lima Cruz, & Nunes (ed.) Pelo Fio se Vai à Meada: Percursos de investigação através de histórias de vida (pp. 25-51). Lisboa: Ela por Ela.

Magalhães, M.J. et al (2012). Relatório Final Projeto Amor, Medo e Poder: Percursos de Vida para a Não Violência. Conclusões e Recomendações. (Projeto: PIHM/VG/0016/2008)

Oakley, A. (1997). Interviewing Women, a Contradition in Terms, in Roberts, H. (ed.). Doing Feminist Research (pp. 31-61). Londres e Nova Iorque: Routledge.

Patai, D. (1991). Academics and Third World Women: Is Ethical Research Possible?, in Gluck, Shrena & Patai (eds.) Women's Words, The Feminist Practice of Oral History (pp. 137-153). Nova Iorque, Londres: Routledge.

Pink, S. (2005 [2001]). Doing Visual Ethnography. Londres: Sage Publications

Poirier, J. et al. (1995). Histórias de Vida: Teoria e Prática. Oeiras: Celta.

RASI (2015). Relatório Anual de Segurança Interna. Sistema de Segurança Interna. Lisboa: Gabinete do Secretário-geral. Ministério da Administração Interna.

Rodriguez-Castro, Y.; Alonso-Ruido, P. & Magalhães, M. J. (2016). Violencia de género em Portugal: Análise de los discursos de los equipos técnicos de atención a las víctimas, in Canle, I. C. I.; Fernandez, J. A. G. & Buján, M. V. A. (coords.). El Principio de Igualdad desde un Enfoque Pluridisciplinar. Prevención y represión de la violencia de género. Consultado em https://repositorio- aberto.up.pt/bitstream/10216/82734/2/118641.pdf.

Rose, G. (2005). Visual Methodologies in Social Research. Londres: Sage.

Rose, G. (2008). Visual Methodologies: an intruduction to the interpretation of visual materials. Londres: Sage.

Scott, J. (1998). Experience, in Smith & Watson (eds.) Women, Autobiography, Theory: a Reader (pp.57-71). Madison: University of Wisconsin Press.

Solakov, N. (2002). Catálogo da exposição Nature People no Museu do Chiado – Museu Nacional de Arte Contemporânea. Lisboa: IPM.

Spradley, J. (1979). The Ethnographic Interview. Orlando: Holt, Rinehart and Winston, Inc.

Stark, Evan (2007). Coercive Control: The Entrapment of Women in Personal Life. Oxford & Nova Iorque: Oxford University Press.

Torres, A. (coord.) (2008). Estudo de Diagnóstico e Avaliação das Comissões de Proteção de Crianças e Jovens. Lisboa: ISCTE-CIES.

Walker, L. (1989). Pshycology and Violence Against women, American Psychologist, Vol. 44, No 4, 695-702.

Walker, L. (1991). Post-Traumatic Stress Disorder in Women: Diagnosis and Treatment of Battered Woman Syndrome, Psychoterapy, Vol. 28, No1, 21-29.

Walker, L. (2009). The Battered Woman Syndrome. Nova Iorque: Springer.

Wang, C. & Burris, M. A. (1997). Photovoice: Concept, Methodology, and Use of Paricipatory Needs Assessment, Health, Education & Behavior, 24 (3), 369-387.

Wang, C. (2006). Youth participation in photovoice as a strategy for community change, Journal of Community Practice, 14 (1/2), 147-161.

Zonabend, F. (1991). A Memória Familiar, do Individual ao Colectivo, Revista Sociologia, Problemas e Práticas, No9, 179-19.

Downloads

Publicado

2017-05-19

Como Citar

Felgueiras, R. ., Lima Cruz, A., Lopez, R., & Magalhães, M. J. (2017). Narrativas Visuais: arte participativa com mulheres e jovens vítimas de violência. Vista, (1), 108-136. https://doi.org/10.21814/vista.2981

Edição

Secção

Artigos