Sobre as visualidades urbanas

Autores

  • Ricardo Campos Centro Interdisciplinar de Ciências Sociais (CICS.Nova), Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa, Portugal
  • Cornelia Eckert Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Brasil
  • Andrea Barbosa Departamento de Ciências Sociais, Universidade Federal de São Paulo, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.21814/vista.3024

Resumo

A cidade é um universo que pode ser concebido a partir de diversos pontos de vista. É, desde logo, um território, com fronteiras formalmente definidas e com uma geografia que é ocupada por diferentes materialidades e seres (humanos e não-humanos). É, também, um universo social, na medida em que é habitada e vivida, ao longo do tempo, por diferentes pessoas e grupos sociais que vão produzindo a cidade. O espaço e o tempo são, assim, componentes da cidade que é fabricada em camadas, marcada pela permanente mudança da sua paisagem. Mas a cidade também é imaginário, é construída mentalmente não correspondendo necessariamente às suas configurações físicas concretas. Deste modo, a cidade imaginária é aquela que habita as nossas mentes mas, também, cada vez mais, aquela que se fabrica através dos circuitos digitais e dos ecrãs, com distintas conexões à realidade concreta que habitamos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Barbosa, A. (2012) São Paulo Cidade Azul. São Paulo: Alameda.

Barbosa, A. & Cunha, E. (2006), Antropologia e Imagem. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor.

Barbosa, A., Cunha, E. & Hikiji, R. (2009). Imagem-Conhecimento. Antropologia, Cinema e Outros Diálogos. Campinas: Papirus.

Barbosa, A.; Cunha, E.; Hikiji, R. & Caiuby Novaes, S. (2016) A Experiência da Imagem na etnografia. São Paulo: Terceiro Nome.

Berger, J. (1999) Modos de ver. Lisboa: Edições 70

Burgess, J. & Green, J. (2009). Youtube: online video and participatory culture. Cambridge: Polity Press

Campos, R. (2016) Visibilidades e invisibilidades urbanas, Revista de Ciências Sociais, Vol 47, no1: 49-76.

Campos, R. (2013) Introdução à cultura visual. Abordagens e metodologias em ciências sociais. Lisboa: Mundos Sociais.

Campos, R; Brighenti, A. & Spinelli, L. (Org.) (2011) Uma cidade de Imagens. Produção e consumo visual em meio urbano. Lisboa: Mundos Sociais.

Classen, C. (1997). Fundamentos de una antropología de los sentidos. Revista Internacional de Ciencias Sociales (RICS), n.o 153.

Eckert, C. & Monte-mor, P. (orgs.) (1999). Imagem em Foco. Novas Perspectivas em Antropologia. Porto Alegre: Universidade Federal de Rio Grande do Sul.

Jenks, C. (1995) Visual Culture, Londres e Nova Iorque: Routledge.

Mcauliffe, C. (2012) Graffiti or street art? Negotiating the moral geographies of the creative city. Journal of urban affairs, 34 (2), 189–206.

Mirzoeff, N. (1999) An introduction to visual culture, Londres e Nova Iorque: Routledge.

Muller, M. (2008). Visual competence: a new paradigm for studying visuals in the social sciences. Visual Studies, XXIII (2), 101-102.

Synnott, A. (1992) The eye and I: a sociology of sight. International Journal of Politics, Culture and Society, Vol 5, no 4, 617-636.

Downloads

Publicado

2018-12-26

Como Citar

Campos, R., Eckert, C., & Barbosa, A. (2018). Sobre as visualidades urbanas. Vista, (3), 8-16. https://doi.org/10.21814/vista.3024

Edição

Secção

Nota introdutória