"Quem Quer Ser Apagada?" Imagens de Mulheres em Manuais de História no Ensino em Contexto Moçambicano

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21814/vista.3517

Palavras-chave:

Moçambique, ensino da história, memória cultural, decolonialidade, (in)visibilidades

Resumo

Neste artigo iremos discutir a forma como as mulheres são representadas nos manuais de história em vigor no segundo ciclo do ensino secundário geral em Moçambique: qual o lugar das mulheres nos manuais na história de Moçambique? Quais as mulheres com nome, com rosto ou com voz nos manuais escolares? Como é descrita a sua agência histórica? Para responder a estas questões realizámos uma análise sincrónica, multimodal e comparativa da forma como as mulheres são representadas nos manuais de história da 11.ª e da 12.ª classes. A análise efetuada demonstra profundas assimetrias nas representações de género, quer no que concerne aos conteúdos de ensino, quer no que toca às fontes e à iconografia. Os manuais apresentam um quadro historiográfico assente na liderança masculina, enquanto as mulheres são apresentadas confinadas aos papéis tradicionais de género, com raras exceções. Tendo em conta a escassez de estudos referentes às representações de género, interseccionalidades e ensino de história em Moçambique, neste trabalho, analisamos o modo como texto e imagem contribuem para o apagamento da agência das mulheres nos manuais escolares de história. Prestamos particular atenção às imagens de mulheres e discutimos o potencial das imagens para o combate ao sexismo e para a descolonização do conhecimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografias Autor

Rosa Cabecinhas, Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade, Instituto de Ciências Sociais, Universidade do Minho, Braga, Portugal

Rosa Cabecinhas é licenciada em psicologia (Universidade de Lisboa), mestre em psicologia social (Instituto Universitário de Lisboa), doutorada em psicossociologia da comunicação e com agregação em ciências da comunicação (Universidade do Minho). É docente do Departamento de Ciências da Comunicação do Instituto de Ciências Sociais da Universidade do Minho e investigadora no Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade (CECS). Tem desenvolvido investigação de natureza interdisciplinar e coordenado diversos projetos nacionais e internacionais. Os seus principais interesses de investigação conjugam as áreas da comunicação intercultural, memória social, representações sociais, identidades sociais e discriminação social. É autora da obra Preto e Branco: A Naturalização da Discriminação Racial (2017, 2.ª edição), co-autora da obra De Outro Género: Propostas Para a Promoção de um Jornalismo Mais Inclusivo (2014) e co-editora de diversos livros e números especiais de revistas científicas, entre as quais se destacam as obras Comunicação Intercultural: Perspectivas, Dilemas e Desafios (2017, 2.ª edição), Narratives and Social Memory: Theoretical and Methodological Approaches (2013), (In)visibilidades: Imagem e Racismo (2020).

Sara Laisse, Centro de Humanidades da Universidade Nova de Lisboa, Universidade Católica de Moçambique, Maputo, Moçambique

Sara Laisse é doutorada em literaturas e culturas em língua portuguesa pela Universidade Nova de Lisboa e docente na Universidade Católica de Moçambique. É autora das obras Entre Margens: Diálogo Intercultural e Outros Textos (2020); Letras e Palavras: Convivência Entre Culturas na Literatura Moçambicana (2020) e Entre o Índico e o Atlântico: Ensaios Sobre Literatura e Outros Textos (2013); de manuais de ensino; de artigos publicados em livros, jornais e revistas moçambicanas e estrangeiras. É co-autora dos livros Cultura e Identidade Organizacional: Um Diferencial Para a Competitividade das Empresas Moçambicanas (2008); Seis Reflexões Sobre o Cânone Literário Moçambicano (2019); Dicionário Português-Bitonga-Português (2007), com compêndio gramatical. É investigadora associada ao Centro de Humanidades da Universidade Nova de Lisboa (2014); ao Centro de Estudos sobre África e Desenvolvimento do Instituto Superior de Economia e Gestão/Universidade de Lisboa (2019) e ao grupo de pesquisa Moçambique e Africanidades/Universidade Federal da Paraíba (2020). Colabora no jornal 7 Margens.

Referências

Basílio, G. (2012). O currículo local nas escolas moçambicanas: Estratégias epistemológicas e metodológicas de construção de saberes locais. Educação & Fronteiras, 2(5), 79–97. https://ojs.ufgd.edu.br/index.php/educacao/article/view/2149

Cabaço, J. (2007). Moçambique: Identidades, colonialismo e libertação [Tese de doutoramento, Universidade de São Paulo]. Biblioteca Digital USP. https://doi.org/10.11606/T.8.2007.tde-05122007-151059

Cabecinhas, R. (2018). Quem quer ser apagada? Memória coletiva e assimetria simbólica. In J. M. Oliveira & C. Nogueira (Eds.), Lígia Amâncio: O género como ação sobre o mundo (pp. 113–132). CIS-IUL.

Cabecinhas, R., Jamal, C., Sá, A., & Macedo, I. (2021). Colonialism and liberation struggle in Mozambican history textbooks: A diachronic analysis. In I. Brescó & F. van Alphen (Eds.), Reproducing, rethinking, resisting national narratives. A sociocultural approach to schematic narrative templates (pp. 37–57). Information Age Publishing.

Cabecinhas, R., Macedo, I., Jamal, C., & Sá, A. (2018). Representations of European colonialism, African resistance and liberation struggles in Mozambican history curricula and textbooks. In K. van Nieuwenhuyse & J. P. Valentim (Eds.), The colonial past in history textbooks. Historical and social psychological perspectives (pp. 217–237). Information Age Publishing.

Cabecinhas, R., & Mapera, M. (2020). Decolonising images? The liberation script in Mozambican History textbooks. Yesterday and Today, 24, 1–27. https://doi.org/10.17159/2223-0386/2020/n24a1

Cajani, L., Lässig, S., & Repoussi, M. (Eds.). (2019). The Palgrave handbook of conflict and history education in the post-Cold War era. Palgrave Macmillan.

Carretero, M., Berger, S., & Grever, M. (Eds.). (2017). Palgrave handbook of research in historical culture and education. Palgrave Macmillan.

Casimiro, I. (2004). Paz na terra, guerra em casa: Feminismo e organização de mulher em Moçambique. Promédia.

Castiano, J. P. (2019). Os tempos da educação em Moçambique. In J. P. Castiano, R. Raboco, D. P. Pereira, S. Muianga, & M. J. Morais (Eds.), Moçambique neoliberal. Perspectivas críticas teóricas e da práxis (pp. 275–279). Editora Educar; Ethale Publishing.

Chiponda, A., & Wassermann, J. (2015). An analysis of the visual portrayal of women in junior secondary Malawian school history textbooks. Yesterday & Today, 14, 208–237. https://doi.org/10.17159/2223-0386/2015/nl4a9

Coelho, J. P. B. (2013). Politics and contemporary history in Mozambique: A set of epistemological notes. Kronos, 39(1), 20–31.

Costa, A. (2019, 4 de março). Bertina ou a arte de Bertina: Mudar e permanecer. Buala. https://www.buala.org/pt/cara-a-cara/bertina-ou-a-arte-de-bertina-mudar-e-permanecer-0

Costa, A. (2020, 27 de fevereiro). Reinata Sadimba. Buala. https://www.buala.org/pt/cara-a-cara/reinata-sadimba

Fardon, J., & Schoeman, S. (2010). A feminist post-structuralist analysis of an exemplar South African school history text. South African Journal of Education, 30(2), 307–323. https://doi.org/10.15700/SAJE.V30N2A333

Hayes, P. (2005). Introduction: Visual genders. Gender & History, 17(3), 519–537.

Ide, T., Kirchheimer, J., & Bentrovato, D. (2018). School textbooks, peace and conflict: An introduction. Global Change, Peace & Security, 30(3), 287–294. https://doi.org/10.1080/14781158.2018.1505717

Instituto Nacional de Desenvolvimento da Educação. (2010a). História, programa da 11ª classe. Diname.

Instituto Nacional de Desenvolvimento da Educação. (2010b). História, programa da 12ª classe. Diname.

Jamal, C. M. (2019). Representações do colonialismo nos manuais escolares de História do 1º ciclo do ensino secundário geral no período pós-independência em Moçambique [Tese de doutoramento, Universidade do Minho]. RepositóriUM. http://hdl.handle.net/1822/66902

Jodelet, D. (1991). Mémoire de masse: Le côté moral et affectif de l’histoire. Bulletin de psychologie, 45, 239–256.

Khan, S., Meneses, M. P., & Bertelsen, B. (Eds.). (2019). Mozambique on the move. Challenges and reflections. AEGIS.

Laisse, S. (2020). Letras e palavras: Convivência entre culturas na literatura moçambicana. Escolar Editora.

Lei n.º 4/83, de 23 de março, Boletim da República, I Série – Número 2. (1983).

Lei n.º 6/92, de 6 de maio, Boletim da República, I Série – Número 19. (1992).

Lorenz, C. (2017). ‘The times they are a-changin’. On time, space and periodization in history. In M. Carretero, S. Berger, & M. Grever (Eds.), Palgrave handbook of research in historical culture and education (pp.109–132). Palgrave Macmillan. https://doi.org/10.1057/978-1-137-52908-4_6

Machel, S. (1973). A libertação da mulher é uma necessidade fundamental da revolução. Tempo, 287, 47–50.

Mazula, B. (1995). Educação, cultura e ideologia em Moçambique: 1975-1985. Afrontamento.

Meneses, M. P. (2017). Autodeterminação em Moçambique: Joana Semião, entre a história oficial e as memórias de luta. In I. Mata (Ed.), Discursos memoralistas africanos e a construção da história (pp. 49–78). Colibri.

Mignolo, W. D., & Walsh, C. E. (2018). On decoloniality: Concepts, analytics, praxis. Duke University Press.

Mueio, T. (2019). Abordagem do tema transversal género e equidade na disciplina de português, 10ª classe. In C. Maciel (Ed.), Educação em género (pp. 61–83). Centro de Estudos Interdisciplinares de Comunicação.

Ngomane, N. (2012, 6 de janeiro). Quem quer ser apagado? Sol, p. 24.

Nhapulo, J. (2019). História 12ª classe. Plural Editores.

Nhapulo, J., & Cumbe, G. (2015). História 11ª classe. Plural Editores.

Nora, P. (1989). Between memory and history. Les lieux de mémoire. Representations, 26, 7–24.

Pereira, A. C., Sales, M., & Cabecinhas, R. (2020). (In)visibilidades: Imagem e racismo. Vista, (6), 9–19. https://doi.org/10.21814/vista.3054

Pereira, D. M. P. (2021). Joana Semião, homo economicus e homo politicus: Urdindo uma epistemologia “tolerante” moçambicana. Ex æquo, 43, 165–181. https://doi.org/10.22355/exaequo.2021.43.11

Pollak, M. (1989). Memória, esquecimento, silêncio. Revista Estudos Históricos, 2(3), 3–15.

Ribeiro, F. (2015). Educação e ensino de história em contextos coloniais e pós-coloniais. Mneme – Revista de Humanidades, 16(36), 27–53.

Santos, H., & Amâncio, L. (2016). Gender inequalities in highly qualified professions: A social psychologic analysis. Journal of Social and Political Psychology, 4(1), 427–443. https://doi.org/10.5964/jspp.v4i1.487

Schefer, R. (2016). Mueda, memória e massacre, de Ruy Guerra, o projeto cinematográfico moçambicano e as formas culturais do Planalto de Mueda. Comunicação e Sociedade, 29, 53–77. https://doi.org/10.17231/comsoc.29(2016).2408

Silva, C. (Ed.). (2013). Kulimando saberes: Viagens discursivas pela pedagogia, didática, comunicação, antropologia cultural, filosofia, espiritualidade, língua e literatura. Alcance Editores.

Vicente, F. (Ed.). (2014). O império da visão. Fotografia no contexto colonial português. Edições 70.

Vilhena, M. C. (1999). As mulheres do Gungunhana. Arquipélago História, 2(3), 407–416. http://hdl.handle.net/10400.3/289

Voz da Revolução. (1972). Voz da Revolução. Órgão oficial da Frente de Libertação de Moçambique (FRELIMO). Voz da Revolução, 14, 1–8.

Wertsch, J. V. (2002). Voices of collective remembering. Cambridge University Press.

Zimba, B. (Ed.). (2012). A mulher moçambicana na luta de libertação nacional: Memórias do destacamento feminino (Vol. 1). Centro de Pesquisa da Luta de libertação Libertação Nacional; Ministério dos Combatentes.

Publicado

2021-11-26

Como Citar

Cabecinhas, R., & Laisse, S. (2021). "Quem Quer Ser Apagada?" Imagens de Mulheres em Manuais de História no Ensino em Contexto Moçambicano . Vista, (8), e021010. https://doi.org/10.21814/vista.3517

Edição

Secção

Artigos

Artigos mais lidos do(s) mesmo(s) autor(es)