Cultura Visual, Violência de Gênero e Masculinidades: Entrecruzamentos e Possibilidades Pedagógicas

Autores

  • Carla Luzia de Abreu Programa de Pós-Graduação em Arte e Cultura Visual, Faculdade de Artes Visuais, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, Brasil https://orcid.org/0000-0003-3816-8645
  • Jocy Meneses dos Santos Junior Programa de Pós-Graduação em Arte e Cultura Visual, Faculdade de Artes Visuais, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, Brasil https://orcid.org/0000-0002-6292-9953

DOI:

https://doi.org/10.21814/vista.4105

Palavras-chave:

cultura visual, violência de gênero, educação, masculinidades, visualidade

Resumo

Este artigo explora as relações entre cultura visual, gênero e violência, com foco nas visualidades e em seus papéis pedagógicos. Considerando o protagonismo exercido pelos homens na prática de violências gendradas, são apresentadas algumas reflexões teóricas sobre os modos pelos quais a construção social do visual está implicada no problema, a partir de uma abordagem dos estudos da cultura visual e dos estudos de gênero. Para corroborar com as reflexões, descrevemos uma proposta pedagógica desenvolvida com duas turmas de estudantes universitários de artes visuais no segundo semestre de 2021, nas quais as pessoas participantes foram convidadas a pensar sobre a construção das aprendizagens de gênero e as violências que permeiam esse processo, tendo como dispositivo condutor das discussões a elaboração de constelações visuais. Essa estratégia metodológica foi inspirada nos estudos de Aby Warburg (2000/2010) e de Georges Didi-Huberman (2002/2013, 2011/2018) e buscou explorar o potencial inerente ao ato de confrontar imagens. A expectativa desta atividade pedagógica foi de promover deslocamentos do olhar e reposicionamentos a respeito da naturalização da ordem de gênero e das práticas violentas que ela sustenta. Durante a construção dos painéis visuais e das discussões que moveram os encontros, percebemos que os homens têm certa dificuldade em compreender ou expressar de que modo estão envolvidos no problema, enquanto as mulheres relataram experiências próximas com situações de violência. Entretanto, ainda que as condutas e a cumplicidade masculinas não tenham sido problematizadas de forma expressiva pelos homens, eles aproveitaram o espaço para relatar como a socialização masculina é marcada por violências praticadas em nome do gênero. Concluímos que o papel desempenhado pelas visualidades na reprodução ou subversão de normas e padrões pode contribuir para problematizar as redes de sentido estabelecidas socialmente em torno do gênero.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografias Autor

Carla Luzia de Abreu, Programa de Pós-Graduação em Arte e Cultura Visual, Faculdade de Artes Visuais, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, Brasil

Carla Luzia de Abreu é professora adjunta da Faculdade de Artes Visuais, Universidade Federal de Goiás, atua nos cursos de graduação artes visuais — licenciatura e bacharelado. Carla integra o Programa de Pós-Graduação em Arte e Cultura Visual e é doutora em artes visuales y educación (2014), pela Universidade de Barcelona (Espanha), em regime de cotutela (dupla certificação) com o Programa de Pós-Graduação Arte e Cultura Visual da Universidade Federal de Goiás. Ela participa dos grupos de pesquisa: Cultura Visual e Educação (Universidade Federal de Goiás/ Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico) e Grupo REdArtH (Rede Internacional de Pesquisa em Educação; Universidade Federal de Goiás/ Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico). Suas pesquisas abordam os temas: cultura visual e educação; gêneros, sexualidades e visualidades; pedagogias de resistência.

Jocy Meneses dos Santos Junior, Programa de Pós-Graduação em Arte e Cultura Visual, Faculdade de Artes Visuais, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, Brasil

Jocy Meneses dos Santos Junior é mestrando no Programa de Pós-Graduação em Arte e Cultura Visual, Faculdade de Artes Visuais, Universidade Federal de Goiás. Jocy é bolsista da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Goiás. Ele é especialista em arte, mídia e educação pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão (2021) e em design gráfico pelo Instituto de Artes da Califórnia (2019). Ele é master of business administration em direção de arte pela Universidade Estácio de Sá (2019) e bacharel em design pela Universidade Federal do Maranhão (2017), com período sanduíche no Queens College da Universidade da Cidade de Nova Iorque (2015–2016).

Referências

Abreu, C. L. De. (2014a). O digital como arquétipo do real: Homofobia e sexismo 2.0. In E. M. Chaud & T. Sant’Anna (Eds.), Anais do VII Seminário Nacional de Pesquisa em Arte e Cultura Visual (pp. 732–743). PPGACV-UFG.

Abreu, C. L. De. (2014b). Géneros y sexualidades no heteronormativas en las redes sociales digitales [Tese de doutoramento, Universidade de Barcelona]. Repositório Digital UB. http://diposit.ub.edu/dspace/handle/2445/62126

Abreu, C. L. De. (2017). Justiça social e educação: Problemas de gênero nas artes visuais. In F. Miranda, G. Vicci, & M. Ardanche (Eds.), Anais do V Coloquio Internacional Educación y Visualidad (pp. 325–332). UDELAR.

Acosta, F., Andrade Filho, A., & Bronz, A. (2004). Conversas homem a homem: Grupo reflexivo de gênero – Metodologia. Instituto Noos.

Belausteguigoitia, M., & Lozano, R. (2019). Cultura visual. In A. Colling & L. Tedeschi (Eds.), Dicionário crítico de gênero (2.ª ed., pp. 147–150). Editora UFGD.

Bertagnolli, G., Silva, D., Taschetto, L., & Torman, R. (2020). Misoginia em redes sociais: Uma forma de violência contra mulheres. Contribuciones a las Ciencias Sociales, (65), 1–21. http://hdl.handle.net/20.500.11763/cccss2003misoginia-redes-sociais

Bueno, S., & Lima, R. S. De. (2022). Anuário brasileiro de segurança pública 2022. Fórum Brasileiro de Segurança Pública. https://forumseguranca.org.br/wp-content/uploads/2022/06/anuario-2022.pdf?v=5

Butler, J. (2020). Problemas de gênero: Feminismo e subversão da identidade (R. Aguiar, Trad.; 20.ª ed.). Civilização Brasileira. (Trabalho original publicado em 1990)

Callegari, C., Marinatto, L., & Souza, R. (2022, 13 de julho). ‘Operação flagrante’: Veja, passo a passo, como equipe de enfermagem desmascarou anestesista preso. O Globo. https://oglobo.globo.com/rio/noticia/2022/07/operacao-flagrante-veja-passo-a-passo-como-equipe-de-enfermagem-desmascarou-anestesista-preso.ghtml

Canlı, E., & Mandolini, N. (2022). Estética em angústia: A violência de género e a cultura visual. Nota introdutória. Vista, (10), e022009. https://doi.org/10.21814/vista.4071 DOI: https://doi.org/10.21814/vista.4071

Connell, R. (2005). Masculinities (2.ª ed.). University of California Press.

Cortese, A. (2008). Provocateur: Images of women and minorities in advertising. (3.ª ed.). Rowman & Littlefield Publishers.

Didi-Huberman, G. (2013). A imagem sobrevivente: História da arte e tempo dos fantasmas segundo Aby Warburg (V. Ribeiro, Trad.). Contraponto. (Trabalho original publicado em 2002)

Didi-Huberman, G. (2018). Atlas ou o gaio saber inquieto (M. Arbex & V. Casa Nova, Trads.). Editora UFMG. (Trabalho original publicado em 2011)

Diniz, D. (2022, 12 de julho). O silêncio é uma forma de conivência com casos de abuso. Nexo Jornal. https://www.nexojornal.com.br/entrevista/2022/07/12/%E2%80%98O-sil%C3%AAncio-%C3%A9-uma-forma-de-coniv%C3%AAncia-com-casos-de-abuso%E2%80%99

Ferguson, H., Hearn, J., Holter, Ø., Jalmert, L., Kimmel, M., Lang, J., & Morrell, R. (2005). Acabando com a violência de gênero: Um chamado para uma ação global que envolva os homens (Lupa Comunicação, Trad.). Asdi. (Trabalho original publicado em 2004)

Fixmer-Oraiz, N., & Wood, J. (2019). Gendered lives: Communication, gender, & culture (13.ª ed.). Cengage.

Flood, M. (2019). Engaging men and boys in violence prevention. Palgrave Macmillan. DOI: https://doi.org/10.1057/978-1-137-44208-6

Funk, R. (2006). Reaching men: Strategies for preventing sexist attitudes, behaviors, and violence. Jist Life.

Haidar, D., Freire, F., & Coelho, H. (2022, 14 de julho). Polícia investiga 30 possíveis casos de estupro por anestesista no RJ. G1. https://g1.globo.com/rj/rio-de-janeiro/noticia/2022/07/14/policia-investiga-30-casos-suspeitos-de-estupro-de-anestesista-no-rj.ghtml

Hernández, F. (2005). ¿De qué hablamos cuando hablamos de cultura visual? Educação e Realidade, 30(2), 9–34. https://seer.ufrgs.br/educacaoerealidade/article/view/12413

Hernández, F. (2007). Catadores da cultura visual: Proposta para uma nova narrativa educacional. Mediação.

Hernández, F. (2011). A cultura visual como um convite à deslocalização do olhar e ao reposicionamento do sujeito. In R. Martins & I. Tourinho (Eds.), Educação da cultura visual: Conceitos e contextos (pp. 31–50). Editora UFSM.

Hernández, F. (2013). La cultura visual en los procesos de documentación sobre cómo los jóvenes aprenden dentro y fuera de la escuela secundaria. Visualidades, 11(2), 73–91. https://doi.org/10.5216/vis.v11i2.30686 DOI: https://doi.org/10.5216/vis.v11i2.30686

Katz, J. (2019). The macho paradox: Why some men hurt women and how all men can help. (2.ª ed.). Sourcebooks.

Ker, J. (2022, 29 de janeiro). Brasil continua líder mundial de assassinatos da população trans. Estadão. https://brasil.estadao.com.br/noticias/geral,brasil-continua-lider-mundial-de-assassinatos-da-populacao-trans,70003963904

Loponte, L. (2002). Sexualidades, artes visuais e poder: Pedagogias visuais do feminino. Estudos Feministas, 10(2), 283–300. https://doi.org/10.1590/S0104-026X2002000200002 DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-026X2002000200002

Loponte, L. (2010). Gênero, visualidade e arte: Temas contemporâneos para educação. In G. Icle (Ed.), Pedagogia da arte: Entre-lugares da criação (pp. 149–163). Editora UFRGS.

Martins, A. F. (2008). Conflitos e acordos de cooperação nos trânsitos das visualidades na educação escolar. In R. Martins (Ed.), Visualidade e educação (pp. 97–108). FUNAPE.

Mirzoeff, N. (2003). An introduction to visual culture. Routledge.

Mirzoeff, N. (2016). O direito a olhar (C. Linares, Trad.). ETD – Educação Temática Digital, 18(4), 745–768. https://doi.org/10.20396/etd.v18i4.8646472 (Trabalho original publicado em 2011) DOI: https://doi.org/10.20396/etd.v18i4.8646472

Mitchell, W. J. T. (2015). O que as imagens realmente querem? (M. Poyares, Trad.). In E. Alloa (Ed.), Pensar a imagem (pp. 165–190). Autêntica. (Trabalho original publicado em 2005)

Mondzain, M. J. (2009). A imagem pode matar? (S. Mouzinho, Trad.) Nova Vega. (Trabalho original publicado em 2002)

Newall, D., & Pooke, G. (2021). Art history: The basics (2.ª ed.). Routledge. DOI: https://doi.org/10.4324/9781315727851

Oliveira, J., & Mott, L. (2022). Mortes violentas de LGBT+ no Brasil: Relatório 2021. Grupo Gay da Bahia. https://grupogaydabahia.files.wordpress.com/2022/03/mortes-violentas-de-lgbt-2021-versao-final.pdf

Padiglione, C. (2022, 18 de julho). Ministério Público de SP requisita inquérito contra Jovem Pan por cena de estupro. Folha de São Paulo. https://f5.folha.uol.com.br/colunistas/cristina-padiglione/2022/07/ministerio-publico-de-sp-requisita-inquerito-contra-jovem-pan-por-cena-de-estupro.shtml

Pease, B. (2019). Facing patriarchy: From a violent gender order to a culture of peace. Zed Books. DOI: https://doi.org/10.5040/9781350220027

Santos Junior, J. M. dos, & Abreu, C. L. de. (2022). A montagem como recurso para promover disrupções em contextos educativos: Cultura visual, gênero e sexualidade. In G. Andraus (Ed.), Anais do IV Seminário Internacional de Pesquisa em Arte e Cultura Visual (pp. 225–234). PPGACV-UFG.

Sturken, M., & Cartwright, L. (2017). Practices of looking. An introduction to visual culture (3.ª ed.). Oxford University Press.

Waiselfisz, J. (2015). Mapa da violência 2015: Homicídio de mulheres no Brasil. FLACSO. http://www.onumulheres.org.br/wp-content/uploads/2016/04/MapaViolencia_2015_mulheres.pdf

Warburg, A. (2010). Atlas Mnemosyne (J. Mielke, Trad.). Akal. (Trabalho original publicado em 2000)

Warner, M. (1991). Introduction: Fear of a queer planet. Social Text, (29), 3–17.

Zanello, V. (2020). Masculinidades, cumplicidade e misoginia na “casa dos homens”: Um estudo sobre os grupos de WhatsApp masculinos no Brasil. In L. Ferreira (Ed.), Gênero em perspectiva (pp. 79–102). CRV.

Publicado

2022-11-10

Como Citar

de Abreu, C. L., & dos Santos Junior, J. M. (2022). Cultura Visual, Violência de Gênero e Masculinidades: Entrecruzamentos e Possibilidades Pedagógicas . Vista, (10), e022012. https://doi.org/10.21814/vista.4105

Edição

Secção

Artigos Temáticos