São Muitas as Possibilidades e Impossibilidades que Habitam Esse Mundo: Uma Reflexão Sobre o Tempo Espiralar e a "35.ª Bienal de São Paulo”

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21814/vista.5530

Palavras-chave:

tempo espiralar, Leda Maria Martins, “Bienal de São Paulo”, Coreografias do Impossível, descolonizar os museus

Resumo

A compreensão epistemológica do tempo espiralar, desenvolvida pela pensadora brasileira Leda Maria Martins (2021), oferece uma perspectiva restitutiva da experiência do tempo em sua forma espiralada e serve como inspiração para a concepção da “35.ª Bienal de São Paulo”, intitulada Coreografias do Impossível. Esta epistemologia, enraizada em práticas, poéticas e pensamentos Negros, traz movimentos desobedientes capazes de criar formas de se soltar das categorias estabelecidas pela matriz hegemônica colonial e de cruzar diferentes estratégias de sobrevivências, ritmos e ruptura. O interesse curatorial e educativo das Coreografias do Impossível em elaborar uma Bienal pensada a partir do tempo que espirala abre espaço para reflexões profundas sobre como propostas curatoriais podem se envolver em tentativas de gestos reparadores, ao mesmo tempo que se encontram cercadas de impossibilidades institucionais. Considerando que as instituições coloniais estão intrinsecamente ligadas a estruturas de poder, privilégio e lógicas de mercado, as tensões e contradições deste contexto informam as impossibilidades de descolonização das instituições. Diante dessas questões, esta escrita procura fazer uma leitura sobre as Coreografias do Impossível, refletindo sobre o trabalho curatorial e educativo da “35.ª Bienal de São Paulo” em articulação com a concepção do “tempo espiralar", ao mesmo tempo que oferece uma análise crítica das tensões e contradições nas tentativas de descolonização do museu.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia Autor

Marcela Pedersen, Instituto de Investigação em Arte, Design e Sociedade, Faculdade de Belas Artes, Universidade do Porto, Porto, Portugal

Marcela Pedersen é doutoranda em Educação Artística pela Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto, bolseira de doutoramento pela Fundação para Ciência e a Tecnologia (Ref.: 2022.10957.BD) e investigadora integrada não-doutorada no Instituto de Investigação em Arte, Design e Sociedade. Tem mestrado em Ciências da Educação pela Universidade do Porto e licenciatura em Educação Física pela Universidade Estadual Paulista. É integrante ativista do Núcleo de Imigrantes das Belas Artes da Universidade do Porto. Seus interesses investigativos questionam as possibilidades das práticas de mediação e educação artística, em instituições artísticas e culturais, enquanto reparativas da história colonial, através de lentes anti-discriminantórias e anti-coloniais.

Referências

Albuquerque, I. de. (s.d.). Amador e Jr. Segurança Patrimonial Ltda. 35ª Bienal de São Paulo. Retirado a 23 de fevereiro de 2024, de https://35.bienal.org.br/participante/amador-e-jr-seguranca-patrimonial-ltda/

Bienal de São Paulo. (2023, 17 de maio). #35bienal Conversa com os curadores [Vídeo]. YouTube. https://www.youtube.com/watch?v=S_mdK2VMk5s

Bosi, A. (1992). O tempo e os tempos. In A. Novaes (Ed.), Tempo e história (pp. 19–33). Companhia das Letras.

Cocotle, B. C. (2019). Nós prometemos descolonizar o museu: Uma revisão crítica da política museal contemporânea. MASP – Afterall: Arte e Descolonização.

Cypriano, F. (2023, 15 de dezembro). Hora da imaginação radical. ARTE!Brasileiros. https://artebrasileiros.com.br/arte/hora-da-imaginacao-radical-francoise-verges/

Duncan, C. (1991). Why museums make me sad. In I. Karp & S. D. Lavine (Eds.), Exhibiting cultures: The poetics and politics of museum display (pp. 255–277). Smithsonian.

equipe de educação da Fundação Bienal. (2023). Correspondências entre vozes, uma carta para abrir conversas. In C. Fino (Ed.), Aqui, numa coreografia de retornos, dançar é inscrever no tempo (pp. 18–29). Bienal de São Paulo.

Finnegan, R. (2008). O que vem primeiro: O texto, a música ou a performance? In C. N. de Matos, E. Travassos, F. T. de Medeiros (Eds.), Palavra cantada: Ensaios sobre poesia, música e voz (pp. 15–45). 7Letras

Fundação Bienal de São Paulo. (Anfitrião). (2024, 27 de fevereiro). Leda Maria Martins e Manuel Borja-Villel [Episódio de podcast]. In Em Obras. Trovão Mídia. https://podcasters.spotify.com/pod/show/podcast-Bienal/episodes/9--Leda-Maria-Martins-e2ga6l5

Grosfoguel, R. (2010). La descolonización de la economía politica y los estudios postcoloniales: Transmodernidad, pensamiento fronterizo y colonialidad global. In A. Pacheco & W. L. P. Melendez (Eds.), La descolonización de la economía política (pp. 17–48). Universidad Libre.

Guimarães, J. V. (2023, 19 de outubro). O pavilhão da Bienal se lava em prantos. seLecT_ceLesTe. https://select.art.br/o-pavilhao-da-bienal-se-lava-em-prantos/

Hall, S. (2016). O ocidente e o resto: Discurso e poder. Projeto História, 56, 314–361. https://revistas.pucsp.br/index.php/revph/article/view/30023

Lima, D., Kilomba, G., Menezes, H., & Borja-Villel, M. (2022). Coreografias do Impossível. 35ª Bienal de São Paulo. https://35.bienal.org.br/sobre-a-35a/

Lima, D., Kilomba, G., Menezes, H., & Borja-Villel, M. (2023). Quais movimentos compõem as coreografias do impossível? In C. Fino (Ed.), Aqui, numa coreografia de retornos, dançar é inscrever no tempo (pp. 32–36). Bienal de São Paulo.

Livraria Megafauna. (2022, 14 de julho). Performances do tempo espiralar: Leda Maria Martins com Dione Carlos, Grace Passô e Lucelia Sergio [Vídeo]. YouTube. https://www.youtube.com/watch?v=s5fd0pMtxPc&t=685s

Martins, L. M. (1997). Afrografias da memória: O reinado do Rosário no Jatobá. Perspectiva

Martins, L. M. (2003). Performances da oralitura: Corpo, lugar de memória. Letras, (26), 63–81.

Martins, L. M. (2021). Performances do tempo espiralar: Poéticas do corpo-tela. Cobogó.

Mbembe, A. (2017). Crítica da razão negra (M. Lança, Trad.). Antígona. (Trabalho original publicado em 2014)

Mbembe, A. (2021). Brutalismo (M. Lança, Trad.). Antígona. (Trabalho original publicado em 2020)

Mignolo, W. D. (2019). A colonialidade está longe de ter sido superada, logo, a decolonialidade deve prosseguir. MASP - Afterall: Arte e Descolonização.

NYUAD Institute. (2022, 15 de dezembro). The impossible decolonization of the Western museum [Vídeo]. YouTube. https://www.youtube.com/watch?v=BEPpp5IuZOA

trabalhadores da 35ª Bienal de São Paulo. (2023, 18 de outubro). Carta aberta de repúdio às condições de trabalho na 35ª Bienal de São Paulo. seLecT_ceLesTe. https://select.art.br/carta-aberta-35a-bienal/

ª Bienal de São Paulo. (s.d.). Sobre a Fundação Bienal de São Paulo. Retirado a 3 de março de 2024, de https://35.bienal.org.br/leitura-facil/

Tsing, A.L. (2022). O cogumelo no fim do mundo. Sobre a possibilidade de vida nas ruínas do capitalismo (J. M. Barreto & Y. Rafael, Trads.). n-1 edições. (Trabalho original publicado em 2015)

Vergès, F. (2023). Descolonizar o museu - Programa de desordem absoluta. Ubu Editora.

Publicado

2024-05-27

Como Citar

Pedersen, M. (2024). São Muitas as Possibilidades e Impossibilidades que Habitam Esse Mundo: Uma Reflexão Sobre o Tempo Espiralar e a "35.ª Bienal de São Paulo”. Vista, (13), e024006. https://doi.org/10.21814/vista.5530

Edição

Secção

Artigos Temáticos