Televisualidade e a realidade dos média

Autores

  • Ana Velhinho Centro de Investigação e de Estudos em Belas-Artes (CIEBA), Faculdade de Belas Artes, Universidade de Lisboa, Portugal

DOI:

https://doi.org/10.21814/vista.2971

Palavras-chave:

Cultura Visual, Globalização, Imagens, Média, Televisualidade

Resumo

A viragem para o século XXI consolida a construção de uma televisualidade, trazida pela naturalização da presença dos meios de comunicação de massas no nosso quotidiano. A fronteira entre o que se pode ver, registar e partilhar no plano público da visualidade é tão ténue quanto controversa, apesar de convocar o cidadão comum para contribuir ativamente para o fluxo de mensagens e imagens que alimentam a rede global e fazem circular uma realidade extra-ecrã, sujeita a um conjunto de filtros e discursos, com acesso e difusão em tempo real. Quando se assiste ao emergir, no seio da ficção, de géneros reality, que operam uma comutação de códigos dirigidos ao consumo e ao espetáculo que caraterizam a hiperrealidade em que vivemos, rapidamente o voyeurismo e a violência passam a integrar os padrões de sociabilidade atuais, pautados pelo imediatismo e superficialidade preconizados pelos média. Estes regimes escópicos produzem no espetador uma relação dual com as imagens, que volatiza o seu papel e autoridade no plano da representação e da vida.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Baudrillard, J. (1991). Simulacros e Simulação. Lisboa: Relógio d’Água.

Baudrillard, J. (1995). The Gulf War Did Not Take Place. Bloomington & Indianapolis: Indiana University Press.

Baudrillard, J. (1996). TV Fantasies, in Baudrillard, J. (2002). Screened Out (pp.186- 190). Londres, Nova Iorque: Verso.

Baudrillard, J. (2001). Dust Breeding, in Baudrillard, J. (2005). The Conspiracy of Art – Manifestos, Interviews, Essays (pp. 181-187). Nova Iorque, Los Angeles: Semiotext(e).

Baudrillard, J. (2004). War Porn, in Baudrillard, J. (2005). The Conspiracy of Art – Manifestos, Interviews, Essays (pp. 205-209). Nova Iorque, Los Angeles: Semiotext(e).

Caldwell, J. T. (1995). Televisuality: style, crisis and authority in American television. New Brunswick e New Jersey: Rutgers University Press.

Castello Branco, P. (2011). Imagem, Corpo, Tecnologia: A Função Háptica das Novas Imagens Tecnológicas. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Dancyger, K. (2011). The Technique of Film and Video Editing. History, Theory, and Practice. Massachusetts: Focal Press / Elsevier.

Debord, G. (1991). A Sociedade do Espectáculo. Lisboa: Mobilis in Mobile.

Derrida, J.; Stiegler, B. (2002). Echographies of Television. Filmed Interviews. Cambridge, Oxford, Malden: Polity Press.

Fincher, D. (1995). Se7en. EUA: Cecchi Gori Pictures, Juno Pix, New Line Cinema. [Filme de 127 min].

Flusser, V. (1985). Filosofia da Caixa Preta. Ensaios para uma futura filosofia da fotografia. São Paulo: Editora Hucitec.

Friedberg, A. & Guins, G. (2004). Televisual Space (Editorial). Journal of Visual Culture 2004. Vol 3. No 2,131-132.

Grilo, J. M. (2006). O Cinema da não-ilusão – Histórias para o Cinema Português. Lisboa: Livros Horizonte.

Hanhardt, J. (2000). The Worlds of Nam June Paik. Consultado em http://www.paikstudios.com/.

Jacobs, K. (2001). The Eye's Mind: Literary Modernism and Visual Culture. Ítaca, Londres: Cornell University Press.

Jameson, F. (2003). Postmodernism, or, the Cultural Logic of Late Capitalism. Post- Contemporary Interventions. Durham: Duke University Press.

Jay, M. (1993). Downcast Eyes. The Denigration of Vision in Twentieth-Century French Thought. Berkeley, Los Angeles, Londres: University of California Press.

Jenkins, H. (2008). Convergence Culture. Where Old and New Media Collide. Nova Iorque, Londres: New York University Press.

Lacan, J. (1964). What is a Picture, in Miller, J.A. (Ed.) (1981) The Four Fundamental Concepts of Psycho-Analysis (pp.105-119). Nova Iorque, Londres: W.W. Norton & Company.

Lipovetsky, G., Serroy, J. (2010). O Ecrã Global. Cultura Mediática e Cinema na Era Hipermoderna. Lisboa: Edições 70.

Machado, A. (2000). A Televisão levada a sério. São Paulo: Editora Senac.

Machado, A. (2007). Pré-cinemas & Pós-cinemas. São Paulo: Papirus Editora.

McLuhan, M. (1977). A Galáxia de Gutenberg: a formação do homem tipográfico. São Paulo: Companhia Editora Nacional.

McLuhan, M. (2003). Understanding Media. London, New York: Routledge Classics.

Merrin, W. (2005). The delirious spectacle of the non-event. In Baudrillard and the Media: A Critical Introduction (pp. 63-80). Cambridge, Malden: Polity Press.

Mirzoeff, N. (2006). Invisible Empire: Visual Culture, Embodied Spectacle, and Abu Ghraib. Radical History Review 95, Spring 2006, 21-44. Consultado em http://www.nicholasmirzoeff.com/Images/Mirzoeff_InvisibleEmpire.pdf.

Mitchell, W.J.T. (2005). What do Pictures Want? The Lives and Loves of Images. Chicago, Londres: The University of Chicago Press.

Mondzain, M.J. (2009). A imagem pode matar? Lisboa: Nova Vega.

Mueller, R. (1994). Valie Export: Fragments of the Imagination. Women Artists in Film. Indianapolis: Indiana University Press.

Orwell, G. (2007) Mil Novecentos e Oitenta e Quatro. Lisboa: Antígona.

Plissart, M. F. (1985) Droit de regards. Avec une lecture de Jacques Derrida. Paris: Éditions de Minuit.

Radford, M. (1984). Nineteen Eighty-Four (1984). Reino Unido: Umbrella-Rosenblum Films Production, Virgin. [Filme baseado no romance de George Orwell, 113 min].

Rodrigues, A. (1989). Do dispositivo televisivo. Revista de Comunicação e Linguagens. No 9, 61-65.

Sontag, S. (2003). Olhando o Sofrimento dos Outros. Lisboa: Gótica.

Sontag, S. (2004). Regarding the Torture of Others. New York Times Magazine. May 23, 2004. Consultado em: http://www.nytimes.com/2004/05/23/magazine/regarding- the-torture-of-others.html.

Timoner, O. (2009). We Live in Public. Estados Unidos da América: Interloper Films, Pawn Shop Creatives. [Documentário de 91 min].

Weir, P. (1998). The Truman Show. Estados Unidos da América: Paramount Pictures, Scott Rudin Productions. [filme de 103 min].

Downloads

Publicado

2017-05-19

Como Citar

Velhinho, A. (2017). Televisualidade e a realidade dos média. Vista, (1), 72-91. https://doi.org/10.21814/vista.2971

Edição

Secção

Artigos