Produção do espaço e resistência: uma reflexão sobre cartazes de contestação

Autores

  • Kando Fukushima Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Brasil
  • Marilda Lopes Pinheiro Queluz Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.21814/vista.3025

Palavras-chave:

Produção do espaço, Cartazes, Contestação política

Resumo

O presente artigo discute as apropriações de espaços públicos para a distribuição de cartazes de contestação política. Os exemplos foram fotografados em duas cidades brasileiras, Curitiba- PR e São Paulo-SP, durante os anos 2015 e 2017. Ao contrário dos cartazes encontrados em suportes institucionalizados do mobiliário urbano dedicados a esta finalidade, que normalmente são utilizados para a propaganda de estado e publicidade de grandes empresas, os exemplos desse trabalho registram os usos irregulares do espaço da cidade. Nesses casos, além da discussão a respeito do próprio uso e apropriação desses suportes, pretende-se evidenciar temas e tensões sociais do cotidiano através da análise de alguns desses cartazes. O viés teórico é fundamentado principalmente pelo conceito de "produção do espaço" de Henri Lefebvre, que enfatiza o processo político, cultural, social e econômico envolvido na discussão sobre a cidade, reconhecendo a complexidade dos fatores envolvidos no tema e as limitações de abordagens disciplinares restritivas. Pretende-se problematizar essa produção, de maneira que possa ser pensada como prática autônoma e legítima de resistência e apropriação do espaço da cidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

A outra Campanha [AOC] (2016). Cartilha da “A outra Campanha”. Consultado em: https://organizacaopopular.wordpress.com/outra-campanha.

Biondi, L. (2009). A greve geral de 1917 em São Paulo e a imigração italiana: novas perspectivas. Cadernos AEL, v.15, n.27, 259-310. Consultado em: https://www.ifch.unicamp.br/ojs/index.php/ael/article/view/2577.

De Certeau, M. (1994). A invenção do cotidiano. 1: Artes de fazer. Petrópolis: Vozes.

Empresa Brasil de Comunicação [EBC]. (2017). Consultado em: http://agenciabrasil.ebc.com.br/educacao/noticia/2016-10/mais-de-mil-escolas-do-pais- estao-ocupadas-em-protesto-entenda-o-movimento.

Ferrara, L. D. (1988). Ver a cidade. São Paulo: Nobel.

Ferrara, L. D. (1993). Olhar periférico. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo.

Harvey, D. (2014). Cidades rebeldes: do direito à cidade à revolução urbana. São Paulo: Martins Fontes.

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada [IPEA]. (2017). Atlas da Violência 2017. Consultado em: <http://www.ipea.gov.br/atlasviolencia/>.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística [IBGE]. (2017). Consultado em: https://cidades.ibge.gov.br/

Lefebvre, H. (1969). O direito à cidade. São Paulo: Editora Documentos.

Lefebvre, H. (1991). The production of space. Massachusetts: Blackwell.

Lefebvre, H. (2003). The urban revolution. Minneapolis: University of Minnesota Press.

Lefebvre, H. (2016). Espaço e Política. O direito à cidade II. Belo Horizonte: Editora UFMG.

Lei no 13.467 de 13 de julho de 2017 (2017). Altera a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), aprovada pelo Decreto-Lei no 5.452, de 1o de maio de 1943, e as Leis nos 6.019, de 3 de janeiro de 1974, 8.036, de 11 de maio de 1990, e 8.212, de 24 de julho de 1991, a fim de adequar a legislação às novas relações de trabalho. Consultado em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/lei/l13467.htm

Limonad, E. (1999) Reflexões sobre o espaço, o urbano e a urbanização. GEOgraphia. Ano 1, No 1, 71-91. Consultado em: http://www.geographia.uff.br/index.php/geographia/article/view/7

Schmid, C. (2012). A teoria da produção do espaço de Henri Lefebvre: em direção a uma dialética tridimensional. GEOUSP: Espaço e Tempo (Online), 0(32), 89-109. doi:http://dx.doi.org/10.11606/issn.2179-0892.geousp.2012.74284.

Downloads

Publicado

2018-12-26

Como Citar

Fukushima, K., & Lopes Pinheiro Queluz, M. (2018). Produção do espaço e resistência: uma reflexão sobre cartazes de contestação. Vista, (3), 18-39. https://doi.org/10.21814/vista.3025

Edição

Secção

Artigos